Acompanhe o blog atraves do seu e-mail

Quem somos:

Valinhos, SP, Brazil
Eu sou consultor de TI e a Walquíria, professora. O meu hobby é o tiro esportivo e o dela, a leitura. O nosso é o motociclismo.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Dia 02 - Florianópolis -> Pelotas

787,7 Kilometros rodados em 15 horas.
O dia amanhaceu chuvoso em Floripa. Havíamos combinado de nos encontrarmos às 06:30 no café da manhã e depois checar a lampada de freio da BMW. Verificamos mas não foi possível solucionar. Decidimos continuar e tentar mais para frente. Após termos rodado por volta de 130 Kms., boa parte deles embaixo de uma chuva fraca porém persistente, decidimos parar para um descanso e verificar a luz novamente. Alí iniciava um longo dia pois durante o processo de verificação da lâmpada, provocamos um curto que queimou dois fuziveis. Eu tinha fuziveis de reserva e pudemos contornar o problema mas daí o ABS da moto começou a apresentar alguma inconsistência. Resolvemos continuar. Ao cruzarmos a fronteira entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul, paramos para almoçar na cidade de Dom Pedro de Alcantara. O trajeto, pela BR-101, com excessão de alguns trechos sendo reformados, estava muito bom e sem muito tráfego. O sono ainda me perseguia desde manhã. Depois de almoçarmos e abastecermos a moto, decidimos ir a uma loja da BMW em Porto Alegre para tentar solucionar o caso. Assim a viagem iria se tornar um pouco mais longa, pois Porto Alegre não estava no roteiro. Chegando lá, rapidamente encontramos a loja. Balde de água fria: Havia muitas motos esperando manutenção e só tinha dois mecânicos. Mas conseguimos pelo menos o endereço de um mecânico que conhece BMW que talvez pudesse nos ajudar. Na mesma loja, um acidente: Derrubei a câmera fotográfica no chão e o visor se espatifou. Da forma como ficou eu pensei que ja era. Mas consegui montar novamente o visor, colar com uma super bonder e tá funcionando uma beleza. Rumamos então para a casa do tal mecânico. Outro balde de água fria: Ele estava saindo de viagem e não quis nem ver a moto. Nos indicou porém outra pessoa que talvez pudesse ajudar. De novo a caminho, quando chegamos o lugar estava fechado. Mas perto de lá havia também uma loja / mecanica de motos custom. Daí as coisas começaram a dar certo. Um mecânico olhou a moto, identificou que o problema era nos conector da lâmpada e consertou. Problema resolvido, custo de não mais que R$ 50,00 - saímos. Atraz da BMW, duas quadras depois, não acreditava: A luz de freio novamente não acendia ou por outra, não apagava. Ficava o tempo todo acesa. Avisei o Eduardo e voltamos de novo à oficina. Mais ou menos 30 minutos depois, finalmente, o problema foi definitivamente consertado. Além dos contatos da lâmpada, também o interruptor do manete de freio estava travando mantendo assim a luz sempre ligada. O ponto positivo disso tudo foi termos conhecido o pessoal da loja em Porto Alegre. O dono, que por falha minha não anotei o nome, é super gente fina e muito conhecedor de viagens para Argentina e Chile. Nos deu valiosas dicas a respeito e ficamos tranquilizados ao saber que a nossa rota era muito boa e bonita. Seguimos então, quando já eram por volta das 15:30, para o nosso destino final: Pelotas - 250 Kms. ao Sul. Porém o dia de percalsos ainda não havía terminado. A moto agora estava com o freio dianteiro travando ou seja, a moto estava com a roda sendo presa inadvertidamente. Mas era um problema intermitente - porém preocupante. Mas decidimos seguir até Pelotas. Após uma parada para abastecimento da moto, comermos alguns pastéis e eu tomar um coctel de Red Bull, Café e Coca Zero - depois disso não senti mais sono, seguimos para Pelotas. A estrada de pista simples é excelente com asfalto em perfeito estado e as paisagens, incriveis. Chegamos em Pelotas por volta das 22:30 hs. e começamos a procurar um hotel para pernoitarmos. Após rodarmos um pouco, acabamos por chegar no Hotel Cury. Hotel que está sendo reformado mas o quarto, simplesmente horrível. Muito pequeno, antigo e cheio de pernilongos. Mas com o cansaço, isso tudo não atrapalhou - dormimos. No dia seguinte, a surpresa agradável: o restaurante do hotel é muito agradável e bonito e o café da manhã, excelente. Mas ainda tínhamos que resolver o problema da BMW...

Um comentário:

  1. Fiquei impressionado como fomos bem recebidos pelos gauchos. O dono da oficina que nos ajudou muito é o Celso e a oficina é a Moto Encontro (www.motoencontrors.com.br). Falha minh não lembrar o nome do mecânico que tratou tão bem da minha moto. Depois vou postar o endereço dele em um futuro comentário.

    ResponderExcluir