Acompanhe o blog atraves do seu e-mail

Quem somos:

Valinhos, SP, Brazil
Eu sou consultor de TI e a Walquíria, professora. O meu hobby é o tiro esportivo e o dela, a leitura. O nosso é o motociclismo.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Osorno -> Los Ángeles

Hotel em Osorno. Sem luxo mas eficiente e com preço justo
Los Angeles, 414 kilometros de Osorno era caminho para Santiago pois a capital fica muito distante ( 1050 kms )  para fazermos numa corrida só. Levantamos às 08:15 e logo estávamos prontos para o café da manhã e partida. O dia havia amanhecido nublado e logo no momento de equiparmos a moto para sair e chuva começou. Assim a viagem começou com chuva e assim foi boa parte do caminho e em alguns instantes com bastante intensidade. Mas as roupas nos protegeram e não chegamos a nos molhar. Também o frio apareceu e tivemos que instalar as forrações das jaquetas e vestir as segundas peles. Faltando pouco mais de 100 Kms. para chegarmos ao destino o sol apareceu e o clima esquentou. Estávamos ( eu principalmente ) apreensivos com a qualidade do hotel reservado para aquele dia. Mais apreensivos ainda ficamos quando não conseguíamos encontrá-lo de acordo com as indicações da reserva pois era um "resort"  no km 483 da rodovia. Mas no ponto indicado nada víamos além de uma placa de propaganda do próprio resort. Solicitamos informações a um pedestre e ele nos indicou exatamente onde ficava. Quando lá chegamos vimos muita gente aglomerada próximo à portaria mas quando nos abriram a cancela para entrar, vimos que as pessoas estavam em visita às cachoeiras lá existentes. O hotel na primeira vista não pareceu mal. Reserva confirmada, nos indicaram o quarto. E aí veio a surpresa, boa e inesperada surpresa: O quarto, muito amplo, ficava de frente para uma das cachoeiras existentes no resort.
Vista do nosso apartamento em Los Angeles
A Walquiria, amante de cachoeiras e locais onde têm água em geral, ficou maravilhada. Foi muito bom poder dormir escutando o som daquelas aguas caindo. O ponto negativo do dia foi uma pane elétrica inciada na moto onde a todo momento queimava o fuzível que protegia as indicações no painel, pisca-piscas e luz de freios. Essa pane nos acompanharia até Santiago e o problema é que eu não tinha nenhuma informação sobre velocidade, rotações do motor e níveis de combustível e temperatura do motor. Além disso também não tinha pisca-pisca e luz de freio. No início, bastava trocar o fuzível mas depois, mesmo com a troca, imediatamente queimavam. Mas no balanço geral, foi um dia muito positivo pois a chuva nos ajudou a eliminar um pouco do pó acumulado nos dias anteriores e no final, o hotel era tudo que queríamos e precisávamos.

Um comentário: